2008/07/15

Candlelit Dinner

Hmmm.. uma surpresa, ontem, ao chegar a casa. À porta, à minha espera. A notícia. Hoje vai ser diferente. Subir as escadas, degrau a degrau, depressa, para não perder mais tempo. Enfiar-me na cozinha, a fome e a ânsia, juntas. Entretanto, encher a casa de velas, para o ambiente. Uma olhada ao fogão, enquanto se põe a mesa e se abre o vinho, para ir bebendo enquanto se cozinha. Um último telefonema.
– Estou ocupada. Hoje é à luz de velas. Sim, velas.
Do outro lado, a pergunta:
— É com o…?
E eu, com uma gargalhada:
— Não, não. Isso queria eu. É só comigo, como de costume. Não há luz.
Felizmente, houve luar.

Foto daqui.

2 comentários:

Fevereiro disse...

Rosmaninho,
Fica desde já a saber que eu aprecio muito jantar à luz das velas. Adoro. E então, quando a companhia é boa, é um momento sublime. Ultimamente tenho-o feito com alguma regularidade na melhor companhia possível - a minha, que eu tenho sempre muito que dizer a mim própria e muito a contemplar, antes de dar esse passo de voltar a jantar à luz das velas com outrém (que mereça que eu acenda luz das velas para jantar comigo, que sou tão boa companhia!).
Beijinho.
PS. Estás em Alcabideche ?

Rosmaninho disse...

Não, não estou em Alcabideche ;)
E quanto a jantar sozinha, nem sempre o faço à luz de velas, mas não deixo por isso de me esmerar em tudo o que faço. Afinal, é para mim, e eu mereço mais que ninguém. E, como dizia Buddha, "No one saves us but ourselves. No one can and no one may. We ourselves must walk the path."