2006/09/20

O amor possível

A blahblahblah desafiou-me a participar num desafio de um blogue vizinho. Claro que não resisti. Assim, depois de alguns dias entrecortados por muito trabalho, o resultado foi este. Consiga ou não o objectivo, foi bom reflectir sobre o amor e os seus cambiantes. E, sinceramente, acredito que não pode mesmo ser definido. É o que é, e é o que somos.

Aqui fica:
Não é fácil dizer o amor. Aliás, é praticamente impossível dizer algo que não se diz, mas apenas se vive, sente, mostra. É impossível fechá-lo numa caixa de sentido quando ele tem tantos quantos seres há no mundo. Não se pode dizer onde está porque ele não tem um lugar só. Não lhe podemos dar forma porque não o podemos moldar a gosto. Apenas vivê-lo e aceitá-lo.
O amor vê-se nos gestos, no brilho do olhar, no esplendor da pele. Ouve-se nos risos, nos suspiros, na voz embargada de emoção. Revela-se na ternura dos movimentos, na carícia do olhar, na suavidade dos gestos.
Aligeira os dias mas pesa na espera. Faz-nos voar mas facilmente nos deixa cair. Alumia, mas cega. Tranquiliza e enlouquece. Recria e destrói. É simultaneamente alívio e dor. Alegria e angústia. Companhia e solidão. É leveza e quase insuportável de tão pesado. É riso e dor, luz e escuridão. É querer tudo e não querer mais nada.
O amor é tanto que não se pode dizer. ®

4 comentários:

António Rosa disse...

INFORMAÇÃO A TODOS OS PARTICIPANTES DO DESAFIO “QUE É O AMOR?”


Parabéns a si. Vamos ter livro.

58 autores de blogues responderam positivamente ao desafio de escreverem um texto sobre o amor.

Aqui fica o meu agradecimento por ter participado.

Agora começa a parte editorial do livro. E aqui temos o primeiro assunto a ser resolvido.

A maioria dos autores não deu atenção ao meu pedido de se escreverem TEXTOS CURTOS, já que cada autor teria direito apenas a uma página do livro.

Portanto, a primeira coisa a ser feita é reduzirem os vossos textos, assim:

1) Os que escreveram textos corridos podem utilizar até um máximo de 90 palavras.

2) Os que escreveram em poesia podem dispor de um máximo de 16 linhas (versos) com cerca de 8 palavras cada (com os artigos definidos e indefinidos).

3) Podem aproveitar a oportunidade e escrever novos textos, em substituição do anterior e que não saiam do tema “Que é o amor?”.

Lamento o trabalho que terão com estas alterações. Editar, também passa por estas situações.

Na página de cada autor, além do seu texto, aparecerá os seus dados bloguísticos:

- Nome ou nick name que consta no blogue,
- Título do blogue,
- Endereço web do blogue.

A partir de agora, todas as questões relacionadas com o que acima escrevi, devem ser tratado por e-mail.

Meu e-mail: antónio.rosa@anjo-novalis.com


Um abraço e um muito obrigado

António Rosa

Humor Negro disse...

o amor é lindo...

BlahBlahBlah disse...

Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões


Ai o Amor, o Amor...
Parabens! :)

António Rosa disse...

BLOGUE DO LIVRO "QUE É O AMOR?" -
queeoamor.blogspot.com

Apenas recordar que ainda não recebi o texto definitivo com que participou no projecto deste livro da blogosfera.

Como se sabe, o livro terá um formato bastante pequeno.

Já deixei em cada participante esta informação:

Cada texto não deve ultrapassar as 90 palavras ou, se for poema, não deve ter mais que 16 linhas com o máximo de 8 a 10 palavras por linha.

Tanto pode reduzir o texto com que participou ou escrever um novo. Esteja à vontade.

Disponha de uma semana para me deixar o texto definitivo no blogue do livro, cujo endereço está mais acima.

Um abraço

António Rosa